sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

A Primeira Vez...

Fui pela primeira vez ontem, a um encontro de “apaixonados” pela fotografia, o promotor de tal evento é uma pessoa com “provas dados” no mundo e na arte de fotografar. Surpreendeu-me por ser uma “pessoa normal”, e por conseguir transmitir e descrever o prazer que lhe dá fotografar. Consegui sentir nas suas palavras algumas das minhas sensações quando tiro fotografias… foi um momento magico.

Confesso que ia com uma grande dúvida… Ao fazermos da fotografia o “nosso sustento”, se a mesma não se tornaria um modo de vida normal e chato, como a maioria de nós temos!!
Nada disso, vivi a magia apaixonante da fotografia, durante aquelas mais de duas horas, que pareceram minutos, mas que se perlongarão por semana, e quem sabe por parte do nosso futuro… Ouvir na primeira pessoa as aventuras e as histórias por trás de uma foto. Uma outra maneira de ver a fotografia, é ouvir as sensações únicas que sentimos ao captá-la…

A forma de fazer sonhar é algo indescritível que a arte de fotografar nos proporciona… Qualquer pessoa pode ser artista á sua maneira, basta colocar numa foto a sua paixão…

Reforcei a ideia de que o “objecto” para fotografar não será mais de 20% da imagem captada, e que mais importante do que isso, é o gosto, a paixão, a luz, a persistência e sempre alguma dose de sorte…

Só pelo simples facto de começar a fotografar não me tornou uma pessoa melhor, mas seguramente me tornou uma pessoa mais atenta, mais calma e mais sonhadora… é um belo hobbie e um bom anti-stress. Uma fotografia minha não muda o mundo de ninguém, mas seguramente já mudou o meu…
Sinto que é um momento só meu, que consigo ter a liberdade que gosto, que preciso e que muito prazer me dá… consigo gozar a magia do momento, e sentir-me diferente na igualdade da vida em sociedade… mesmo que muitas vezes as pessoas que nos rodeiam não consigam entender e dar valor a isso…

Diz o ditado que: “uma imagem, vale mais que mil palavras”, mas é muito bom ouvir as mesmas ditas por quem fotografou, por quem viveu a experiência e por quem encontrou significado para captar o momento.

Desde que me tornei “aprendiz de fotografo”(á dois ou três anos), noto que passo pelos mesmos locais (há anos), mas que agora me parecem muito diferentes, dou por mim a olhar para um simples “canteiro/vaso” e consigo ver, desde uma bela (e normal) flor, uma erva daninha, ou simplesmente um beata ou outro tipo de “poluição” e achar que é motivo para registar o momento, pelas mais variadas razões…


Na palesta de ontem, todos as imagens eram “minhas conhecidas”, porque acompanho a pessoa em questão á algum tempo, mas faltava alguma coisa, que ontem deu para completar o círculo, faltava a explicação, as sensações sentidas, e as razões que levaram a pessoa a registar para sempre aquele momento… Vi ontem que para além de um bom orador, o fotografo tem de ser um apaixonado pelo que faz… e quando isso é feito daquela maneira, só tem de sair um bom trabalho… 
Obrigado JS









quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Facebook...

… outro do assunto, que hoje é tema quase diário, é as novas tecnologias… 

Hoje vou deixar a minha opinião sobre o Facebook, uma “febre” de apenas sete anos, mas… 

Será uma maravilha? 
Será um perigo? 
Será… tudo o que quer que sejam… como em quase tudo na vida existem opiniões diversas sobre o mesmo tema, eu tenho a minha. 

Acho que  é uma coisa boa. A par com outras coisas “modernas” é uma ferramenta para a vida… 
Porquê ? ... no meu caso, e nos últimos tempos reencontrei pessoas que já não “via” á anos , mesmo décadas, e nada sabia delas e das suas vidas… 

Porque posso partilhar uma das minhas recentes “paixões”, a fotografia… 
Porque posso escrever umas linhas sempre que quero… 
Porque posso estar mais informado sobre o local onde vivo e as pessoas que me rodeiam… 
Porque … porque… porque… 
Poderia estar aqui a escrever dezenas de razões, mas não me pagam para fazer publicidade… 

Claro que também pode existir um lado negativo, como em tudo na vida… 
Podemos falar dos perigos, da privacidade (será outro tema)… mas “porra” perigo existe em tudo na vida e ninguém deixa de viver por “ele”… se tudo fosse maravilhoso, este mundo seria um paraíso e nem nós daríamos valor a isso… 
... e depois... enquanto certos aparelhos tiverem um botão que diga on/off, ainda seremos “donos” das nossas vidas… 
... eu tento ser da minha !!! e tu ?








quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Dias Comerciais...

… todos os dias da nossa vida são importantes, e devem ser comemorados como tal. 

Devemos nos sentir importantes por sermos especiais para alguém e por alguém ser único para nós… 
Devemos passar a vida toda a amar. 
Devemos amar sempre, alguém, amar algo, amar a vida, e principalmente nos amar-mos a nós mesmos, se não gostarmos de nós (quem gostará), de certeza que não conseguimos amar mais nada nem ninguém… isso de amar “mais o próximo” do que a nós mesmos, no meu entender é treta, a acontecer é um amar não verdadeiro, não sentido… 

Para fingir existe tanta coisa na vida que somos “obrigados” a fazer, nunca devemos “meter” o amor nessa coisas… 

Diz-se que o amor não escolhe idade, a ser verdade também não deve escolher datas… por tal facto não gosto do dia dos namorados a 14 de Fevereiro… pode ser qualquer dia… não devemos ser “forçados” a ter um comportamento diferente neste dia, a “comprar lembranças”, a fazer “rituais” comerciais e estranhos… 
Sabendo que a nossa economia está má e precisa de incentivos do género, também não devemos abusar e aproveitar estes dias para “chular” os pobres coitados do portuguesinhos… 

Com a nova época do consumismo, “inventaram” alguns dias comemorativos, dos mais variados possíveis, como o dia das bruxas, dos padrinhos, dos avós, e mais alguns que não me lembro, para quê ? para consumir ?… com a realidade actual, nada disso faz sentido, estamos no “ano da Troika”, todos os outros dias foram “abolidos” até nova ordem… viva os dias normais e pouco comerciais… 
Viva o dia de hoje !








segunda-feira, 8 de julho de 2013

Conjunto de ideias...

O texto de hoje não é mais do que um conjunto de ideias e opiniões pessoais e não só… “coisas” que a vida nos vai ensinando e que por tal motivo nos vamos actualizando…

Aceito as limitações e as dificuldades que a vida nos coloca, não consigo aceitar as “penalizações humanas”… acabam por ser castigos estúpidos e injustos sem nenhum benefício final… 

O que ganhamos ao entrar numa “batalha” que sabemos à partida que só tem derrotados… quem sai vencedor de um jogo onde a vitória não existe… seremos mesmo uns “seres” inteligentes, ou uns estúpidos animais de hábitos e regras inquestionáveis…

Quanto mais vivemos, mais deveríamos aprender, mais deveríamos dar valor a tudo o que não é “palpável” a tudo o que não é contabilizado… mas será que é assim ? Sinto que não! Damos valor ao que temos, mas que no fundo não nos pertence ! Nada, nem ninguém é nosso, pura e simplesmente nada “poderemos levar”! Então! Para que passamos a vida a “querer”, a lutar, a conquistar… se… o nosso valor é pelo que somos e não pelo que temos…

Aprendi a dar mais valor, a quem nada tem, mas que tudo faz para viver com paz, saúde e amor… acho sinceramente que a nossa maior fortuna é nos sentirmos bem connosco próprios, e que tenhamos força para procurar quem goste de nós pelo que somos, mesmo que para isso tenhamos de mudar radicalmente a nossa vida… 

O que mais me assusta na sociedade é a ingratidão, a falta de palavra e de valores… dias do “presente” chegam para esquecer “anos” do passado, e quando assim é a contabilização do futuro não existe…

Sou muito cético em relação a muita coisa, talvez por gostar de entender as coisas, por questionar muito… não sou de “comer” o que me põem à frente, gosto de saber o que como, analisar e ter opiniões próprias… mas uma coisa eu acredito! Existe uma “espécie” de justiça divina, não sei de onde vem, mas tudo nesta vida tem a “paga” aqui na terra… todos teremos de ajustar as “contas” antes de partirmos… isso faz de mim uma pessoa mais calma, menos stressada, e mais feliz… 

Em jeito de brincadeira, digo que não me dou mal com ninguém, que não tenho “inimigos”… e é verdade! Quando uma “tal” pessoa não merece a minha amizade, o meu carinho, o meu amor, deixa de existir, e, por tal facto não consegue ser mais “nada” meu… Existem actualmente mais de sete mil milhões de pessoas neste planeta, muito poucos me conhecem, eu conheço cada vez menos, porque razão um “não amigo” iria fazer parte do meu dia/vida, seria dar muita importância a quem não merece…

Viver é simples, saber viver é mais complicado, e viver com qualidade é quase impossível, por isso devemos tentar viver de uma maneira honesta e feliz, só assim valerá a pena…










terça-feira, 14 de maio de 2013

Grito de Revolta, Grito de Alerta...


Sei que poucos irão ler, mas sei que quem o fizer, serão pessoas por quem eu tenho consideração e que me estimam…

Esta nossa vida de nada vale, mas apenas em poucas alturas dela temos essa consciência, e a vivemos de uma maneira pura, fiel e despreocupada…

Quantas vezes já não ouvimos dizer, ou tivemos conhecimento que o nosso amigo, familiar, vizinho teve uma doença mortal e que em poucos dias/semanas, desapareceu fisicamente do nosso mundo diário… depois de tais tragédias, ou não, damos por nós a pensar que afinal a vida de nada tem nosso… é um bem que nos foi “emprestado”, sem qualquer garantia, nem prazo de validade…

De nada servem as guerras, as invejas, as maldades gratuitas, as intrigas… todos esses sentimentos são armas que nos acabam por fazer desaparecer e ser esquecidos…

Não sou exemplo para ninguém, nem nunca tive essa pretensão, apenas sei e digo, que tenho vivido a minha vida, não da maneira que gostaria, mas da maneira que me deixam viver, e dentro desse “deixar” não terei razões de queixa… não sou “santo” nem nunca serei, mas não prejudico gratuitamente, não tiro prazer do mal dos outros, não desejo aos outros o que não quero para mim…

Para que serve viver sem nunca ter feito o mal, se também nunca fez o bem, para que serve dizermos que nunca erramos, mas também nunca vivemos… para que serve dizer que pouco temos, se mesmo a esse pouco não sabemos dar valor… para que serve ter tudo, se o nada é muito para nós…

Se me perguntarem se nunca errei, se nunca fiz nada mal feito, se não magoei… claro que sim, mas tudo foi feito em defesa do meu “ser” e tudo guardo “orgulhosamente” em mim, porque se tudo isso fiz de mal, tudo isso eu vivi…

Alô pessoal, vamos errar, vamos sentir o nervoso da vida, sentir as tais borboletas no estômago  se isso for viver… teremos o cuidado de não magoar, nunca o fazer de forma gratuita, mas não devemos deixar de viver a nossa vida, não deixar de ter prazer nela, ter uma vida sem prazer é o mesmo que ter um livro em branco… 

Felizmente fui espectador da vida de algumas grandes mulheres, as quais tiveram um percurso espectacularmente sofrido, mas… que não viveram !! serão para mim sempre, grandes exemplos de determinação, coragem e sofrimento… mas não de vida! 

Por esta vida ter tanta disciplina e regras, é que passamos grande parte dela no rigor da obrigação e nos esquecemos de viver o prazer da mesma…

Tudo isto me apeteceu escrever, tudo isto me “saiu” à primeira, nada de pessoal, nada tem da minha vida, são pensamentos e ideias de vida que por vezes viajam na minha cabeça, algumas são regras, outras são desejos e objectivos… mas uma coisa sei, eu vivo e gosto de o fazer…









terça-feira, 2 de abril de 2013

da Janela do meu Quarto...



Da janela do meu quarto posso ver o mundo… um mundo belo, de oportunidades, de viver e ser feliz… mesmo que o tempo o não ajude, ele continua lá, ele continua lindo… neste pequeno filme, pode-se ver um conjunto de fotos “ sequênciadas” por alguns segundos, que mostram um final de dia de inverno, bem próximo…

Quando se quer fazer algo encontra-se uma solução, quando não se quer fazer, arranja-se uma desculpa… 

... na impossibilidade de ir tirar fotos “na rua”,  inventei fotografar o que de belo fosse possível… os animais lá de casa não tinham disposição… por isso dentro da disponibilidade “paisagística” ficou o trabalho abaixo…



video

quarta-feira, 27 de março de 2013

o Nascer do Dia...


… bem o tema de hoje, é felizmente um acontecimento muito normal e lindo, mas poucos são os que dão valor ao mesmo…

O nascer do dia… sei que acontece diariamente, ou por outras palavras todos os dias… mas quantos de nós já “paramos” para ver tal acontecimento… eu já ! felizmente algumas vezes… claro que ultimamente por causa da “maluquice” das fotos, fico com mais vontade e vou ver tal acontecimento com alguma ansiedade…

E pronto aconteceu, este vídeo, é a prova disso mesmo, no ultimo domingo (24Mar2013), foi para a zona do Parque das Nações, a antiga EXPO, e lá fiquei por mais de meia hora a assistir e fotografar o nascer desse dia… a primeira foto foi tiradas ás 6:37 e a última ás 7:05, num total de 238 fotos, poderão ver tudo isso num filme com a duração de 1 minuto e 11 segundos… … Todas as fotos foram tiradas com tripé, com um comando (para não mexer na maquina), disparar em cada 6 ou 7 segundos (contados mentalmente, porque a maquina não tem temporizador), e com algumas definições manuais, para tentar captar o máximo de luz…

Aproveitem para o fazer ao “vivo” e aprendam a dar valor ao que mesmo sendo “normal” é lindo… eu por mim já “me prometi” voltar a fazer em breve e a melhorar esta minha aventura…


video


segunda-feira, 25 de março de 2013

o Pavão...

Aqui está um animal que é uma mistura de sedução e sensualidade, e que ostenta nas suas penas uma palete de cores impossível de copiar... as quais alegram a natureza de uma maneira única...



... e agora uma explicação mais "técnica" copiada da Wikipédia. "Os pavões preferem alimentar-se de insectos e outros pequenos invertebrados, mas também comem sementes, folhas e pétalas. Os pavões exibem um complicado ritual de acasalamento, do qual a cauda extravagante do macho teria um papel principal. As características da cauda colorida, que chega a ter dois metros de comprimento e pode ser aberta como um leque, não têm qualquer utilidade quotidiana para o animal e seriam um exemplo de selecção sexual. Quando o processo é bem sucedido, a pavoa põe entre 4 a 7 ovos, que chocam ao fim de 28 dias.

A cauda dos pavões gerou o interesse de várias culturas, pela sua exuberância de cores e beleza das penas, e justificou a sua criação em cativeiro. Já foram criadas diversas variedades por selecção artificial que apresentam plumagem branca, negra, púrpura, entre outras cores.
No topo de cada fileira de penas do pavão você verá um ocelo redondo e brilhante, ou um pequeno olho. Ocelo deriva do latim "oculus", que significa "olho". Esses pontos iridescentes são o que dão a dimensão exótica às plumas.

Em um estudo realizado no Japão, foi contestada a crença por trás da ornamentação das plumas do pavão, se concluindo que quanto mais o macho se agitar diante de uma fêmea, mais chance ele teria de conquistá-la. Por conta dessa interacção  os pesquisadores dizem que talvez sejam seus movimentos e gritos de acasalamento - e não os famosos ocelos - que mais atraiam as fêmeas. Durante um estudo de sete anos dos rituais de acasalamento dos pavões, os pesquisadores descobriram que mesmo os machos com um leque pouco atraente e com menos ocelos chamaram a mesma atenção que os outros."




video

sexta-feira, 22 de março de 2013

Site... Paixão Fotográfica





... o texto de hoje tem a ver com mais um passo que foi dado na divulgação das minhas fotos... a criação de um site ao "alcance" de todos, onde estarão publicadas algumas das minhas últimas fotos... é em: http://nunescm.wix.com/fotoscn


Uma fotografia pode ter tantas “legendas”, quantas os pares de olhos que a vêm…



A fotografia só tem valor se for tirada com paixão… 


Na vida, como na fotografia, não existem dois momentos iguais, por isso os momentos fotográficos são "irrepetíveis" e "inimitáveis"…



Uma fotografia “congela” um momento, coisa impossível de fazer com a nossa visão…



Uma fotografia tem sempre duas histórias, a visível e a invisível, sendo que a não visível só o próprio fotografo a poderá contar…


Um apaixonado pela fotografia torna-se seguramente uma pessoa mais atenta, mais sensível e mais rigorosa com os pormenores da vida e do mundo que o rodeia…


A fotografia tem o poder de mostrar aquilo que normalmente não conseguimos ver, torna o ordinário em algo extraordinário…


Se uma imagem, vale como diz o ditado, mais que mil palavras, eu quero escrever muitos livros com as fotografias que vou tirando… livros de vida, de paixão, de respeito, por todos os seres e cenas fotografadas…











segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

BASTA - o grito de revolta !


… não devemos pressionar quem não quer, 
... não devemos ajudar quem não deixa, 
... não devemos criticar quem não merece…

BASTA 

Não me custa a mentira, elas normalmente vêm de quem esperamos… custa muito mais a meia verdade ou a omissão, porque essas sim vêm de quem geralmente gostamos, de quem nos diz algo…
… como digo muitas vezes, a vida não está nas grandes decisões, mas sim nos pormenores, e como também digo muitas vezes um (peru menor), não é uma ave com menos de 18 anos, mas sim um pequeno gesto que faz toda a diferença…

BASTA

Não é importante o telefonema no Natal e no aniversário, actualmente lembrar dessas datas é muito fácil, e se a esquecermos temos sempre a desculpa da mudança de telemóvel, ou a falta diária de visita ao Facebook… o importante é ligar do “nada” quando queremos, muitas das vezes acertamos na melhor altura !

… está na hora de dizer BASTA

… muitas das vezes não necessitamos da cura, mas sim duma palavra, não necessitamos da critica, mas sim de um apoio, uma explicação…
… muitas das vezes não precisamos de família, companheiro, colegas ou pessoas, precisamos de um amigo… aquele que nada nos quer, aquele que nada cobra, aquele que não nos julga, aqueles que não nos critica… apenas amigo !

BASTA

Podemos ter muito amor, muitos tipos de amor, amar muitas coisas e muitas pessoas, mas o mais importante chama-se “nós” – amor-próprio, sem ele de nada valemos, sem ele nada somos, sem ele nada sentimos… podemos amar tudo e todos, não existe um limite, mas esse pormenor faz toda a diferença e muda toda a forma de vida… nossa e dos que nos rodeiam…

BASTA

Quantas vezes fazemos coisas a pensar nos outros… coisas que nem queremos, mas a alegria deles é a nossa recompensa e algumas vezes acabamos por até querer, por até gostar… surpreender os outros é muitas vezes uma bela surpresa própria…, já temos as “regras” do dia-a-dia, já temos as “leis” da sociedade… devemos viver, devemos surpreender…

BASTA

… diz uma imagem “Algumas vezes é preciso silenciar, sair de cena e esperar que o tempo nos traga as respostas.”… é isso que por vezes devemos fazer, o silêncio é o nosso melhor amigo, devemos “usá-lo” como defesa e como contra-ataque… nada do que é dito pode ser apagado, e nada do que é feito, pode deixar de ser passado… é importante viver o presente, porque o nosso passado só nós próprio o podemos escrever…

Por isso, por agora BASTA !... vamos contemplar as imagens… e viver… este grito de revolta não é só meu, mas imagino que muito o sintam, mas poucos o façam ouvir... de nada servirá, mas alguma coisa foi feita...